Rede Interdisciplinar de Estudos sobre Nazismo, Memória e Guerra

O objetivo deste projeto, elaborado, coordenado e organizado pelo Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Autoritarismo e Totalitarismo da UFMG é o de reunir pesquisadores que estudem as temáticas de nazismo, memória, Segunda Guerra, para reuniões periódicas para discutir as pesquisas e trocar referências e experiências. Os encontros tem foco acadêmico e tem por objetivo a discussão das pesquisas dos colegas para assim ampliar essa rede de estudos e entrar em contato com outras perspectivas e teorias.

O Pensar os Extremos foi fundado em outubro de 2020 e queremos expandir suas atividades em 2021 promovendo eventos e debates abertos ao público.

Integrantes

Alessandra Praun

Graduanda em História (UFF)

Pesquisa os brasileiros de famílias alemãs que (re)migraram para a Alemanha durante o período do regime nacional-socialista, sobretudo os anos de 1938-1939. Normalmente eles eram simpatizantes ou apoiadores do regime, mas após o fim da Segunda Guerra Mundial, decidiram retornar ao Brasil, solicitando o repatriamento por meio da Missão Militar Brasileira estabelecida em Berlim a partir de 1946. Realizei, então, entrevistas orais com algum desses personagens históricos no sul do país nos anos de 2018 e de 2019 . Venho trabalhando com essas entrevistas, com a documentação encontrada no fundo documental do Arquivo Histórico do Itamaraty e com o livro sobre tal Missão Militar, publicado pela editora do Exército

Augusto Martins

Graduado em História (UFRJ)

Pesquiso o papel exercido por dois comandantes do Sonderkommando 7a, salientando as mediações promovidas entre as ideologias e os homens sob seus comandos. A pesquisa tem a intenção de mostrar como essa interação possibilitou a formação de justificativas metafóricas que promoveriam a racionalização do extermínio – questão que permearia outros campos de atuação da própria unidade.

Celina Cabral

Graduanda em História (UFF)

Dialoga História e Literatura no contexto da República de Weimar na Alemanha, apresentando aspectos da representação do trauma construída acerca da Primeira Guerra Mundial na literatura alemã da década de 1920. Tendo como fonte a obra Nada de Novo no Front (1928), de Erich Maria Remarque, mobiliza o conceito de Experiência, cunhado por Walter Benjamin, e reflete acerca do conceito de Memória. A partir da análise crítica da obra, busca novos caminhos para um melhor entendimento do quadro político-social que se formou na Alemanha ao longo da década de 1920.​

Franciele Becher

Doutoranda em História

(Université Paris 8 - Vincennes Saint-Denis/Institut d'Histoire du Temps Présent [IHTP])

Meus interesses acadêmicos, desde a graduação, são voltados para as relações entre infância, juventude e regimes autoritários. No mestrado (UFRGS) desenvolvi uma pesquisa sobre as políticas públicas da ditadura civil-militar brasileira voltadas para a infância e a juventudes pobres ou "em conflito com a lei". Agora, no doutorado, parto de produções diretas de centenas de jovens (desenhos, redações, cartas e exercícios de História), realizadas nos anos 1940-50 em Centros de Observação franceses para menores delinquentes, para analisar as experiências e trajetórias juvenis durante a Segunda Guerra Mundial, a ocupação nazista da França e outros conflitos da época.

João Luis Pereira Ourique

Professor da Faculdade de Letras

(UFPel)

Dentre os temas recorrentes de discussão e pesquisa estão as relações entre regionalidade e regionalismo, a ideologia, a crítica ao autoritarismo, a formação cultural e a identidade na região do Prata. É um dos editores da Revista Eletrônica Literatura e Autoritarismo

Lana Barbosa de Souza

Graduanda em História (UNIMONTES)

Minhas pesquisas são pautadas na apropriação e recepção do medievo na contemporaneidade através das mídias, mais especificamente as Histórias em Quadrinhos. Com o andamento deste que será meu trabalho de conclusão de curso (monografia), defini aquele que será o tema central para meu projeto de mestrado, que basicamente se trata das relações entre a recepção das lendas germânicas e a ascensão nazista, afim de compreender seu impacto tanto no período da Segunda Guerra quanto em nosso século, levando em conta o gradativo aumento de apropriações e ataques de grupos de extrema-direita neonazistas.

Lizandro Calegari

Programa de Pós-Graduação em Letras

(UFSM-RS)

Estuda literatura brasileira e tem interesse pela produção moderna e contemporânea, em particular aquela produzida durante a ditadura militar brasileira ou que aborde temas relacionados à violência, à opressão e ao autoritarismo. É de seu interesse também a literatura de testemunho, relacionando-a às teorias do trauma. Atualmente, tem dedicado atenção à literatura de testemunho sobre a Shoah no Brasil, atentando para a sua relação com o trauma, a memória e a identidade de vítimas de processos históricos violentos.

Raquel Cunha da Costa

Mestranda em Psicologia 

(UFPa)

Leitura da história em quadrinhos Berlim de Jason Lutes a partir da psicanálise social freudiana para discutir os aspectos competentes à ascensão do nazismo de maneira a refletir sobre um mal-estar social ou da identificação com o outro a partir de uma psicologia das massas. Na monografia de graduação, desde 2017 na iniciação científica, pesquisei o livro Mein Kampf de Adolf Hitler a partir da psicologia das massas de Freud

Compatibilidade com o leitor de tela ativada.

Rosani Umbach

Professora titular da faculdade de Letras (UFSM-RS)

Doutorado sobre a obra de Christa Wolf, escritora alemã; Grupo de Pesquisa Literatura e Autoritarismo; pesquisas acerca de memórias na literatura associadas com crises históricas, repressão e violência.

Willian Bonfanti do Nascimento

Graduado em História

(UNESC)

Atualmente pesquiso a temática acerca do Holocausto/Shoá voltados para a educação. A partir dessa linha de pesquisa, compreender as estruturas de poder e como trabalhar em sala de aula esse conteúdo tao abrangente. Assim, ultrapassar os conteúdos didáticos e discutir os movimentos de ódio que tomam conta na contemporaneidade.

Alexandre Borges Mesquita

Graduado em História (UNIFAL-MG)

Atualmente, possuo um projeto de mestrado que tem por objetivo investigar historicamente as representações da "excepcionalidade" estadunidense nas histórias em quadrinhos do Superman publicadas nos Estados Unidos pela revista Action Comics durante a chamada Era de Ouro dos quadrinhos, num recorte temporal que se inicia na primeira publicação da revista e se encerra na publicação do número 241, de 1938 a 1958.

Bárbara Deoti

Graduada em História (UFMG)

Coordenadora do NEPAT

Atualmente pesquisa a resistência religiosa ao nazismo. Está elaborando um projeto para submeter ao processo seletivo do mestrado, cujo objetivo é estudar as interpretações de resistentes sobre o regime e os impactos da confissão religiosa católica ou protestante nas ações dessas figuras.

Clara Lima Borges

Graduanda em História (UFMG)

Ingressou recentemente em uma iniciação científica que objetiva analisar as vivências de pessoas com deficiência durante o regime nazista. Devido a incipiência do projeto, ainda está em fase de leituras iniciais, sem recortes específicos. Também possui interesse nos temas de neonazismo e expressões da extrema direita na contemporaneidade.

Geovana Alves de Souza Martins

Graduanda em História

(UNIFAL-MG)

Pesquiso as representações do nazismo nos cartazes de propaganda de guerra dos Estados Unidos da América durante a Segunda Guerra Mundial (1942-1945).

Guilherme Freire Marques

Graduando em História (UFRJ)

A pesquisa que pretendo realizar no mestrado envolve as histórias em quadrinhos do capitão américa durante o governo de Donald Trump, buscando entender como e se as principais questões desse governo aparecem refletidas nas páginas do herói estadunidense da Marvel.

Jougi Guimarães Yamashita

Doutor em História

(UFF)

O título da minha tese de doutorado é “As guerras de Marc Bloch: nacionalismo, memória e construção da subjetividade”. Nela, procurei analisar os combates que envolvem a trajetória e lembrança sobre o historiador. Na tentativa de compreender a força de sua memória (disciplinar e em lugares de memória), retomo alguns de seus escritos pessoais, e o diário da Grande Guerra, bem como o testemunho da derrota de 1940 foram fundamentais. Atualmente, tenho me interessado bastante pela discussão da relação entre trauma e escrita da história e sobre os debates que envolvem a responsabilidade social dos historiadores.

Larissa Guevara Gomes Marquez

Graduanda em Letras (UFMG)

Meus interesses de pesquisa envolvem a atuação do regime nazista no leste europeu e o reflexo deste fator histórico na literatura de escritores, como Svetlana Aleksiévitch e Vassily Grossman. Também me interesso pelas representações literárias de outros regimes totalitários do século XX, como o soviético e o japonês.

Maria Visconti

Doutoranda em História

(UFMG)

Coordenadora do NEPAT

Trabalhou no mestrado com o grupo de resistência ao nazismo Rosa Branca. Sua pesquisa no doutorado é sobre as narrativas de autorrepresentação dos nazistas sobre si mesmos e sobre o Terceiro Reich nos Julgamentos de Nuremberg e o processo de desnazificação da Alemanha.

Rodolfo Mendes Raul

Graduando em História (UNIVÁS)

Minha pesquisa tem como foco estudar sobre os campos de concentração que tiveram no Brasil durante a Segunda Guerra Mundial, especificamente sobre o campo de detenção situado na região do Sul de Minas Gerais na cidade Pouso Alegre-MG entre os anos de 1943-1944, no qual ficaram confinados neste campo prisioneiros de guerra alemães. Tenho interesse futuramente em fazer minha Pós-Graduação e me aprofundar mais a respeito do tema sobre segunda guerra mundial e também sobre outros conflitos bélicos.

Valéria Sabrina Pereira

Professora da faculdade de Letras

(UFMG)

Doutorado sobre "Das Echolot", de Walter Kempowski, um "diário coletivo" da Segunda Guerra, formado por uma compilação de textos escritos na época, como cartas, diários e notícias, além de memórias. Ocasionalmente, ainda me dedico diferentes obras com temática de guerra.

Yasmin Trindade Machado

Mestranda em História

(UFF)

Minha dissertação é sobre as representações da mulher nazista na NS FrauenWarte, uma revista feminina ligada ao NSDAP. Falo do papel da mulher nazista como "mãe do Volk" e da relação deste com as diferentes funções que as mulheres assumem no Terceiro Reich, em especial durante a guerra. Essa pesquisa é um aprofundamento da minha monografia, também sob orientação da Denise Rollemberg, em que falei da questão da "nova mulher" nazista.

Anna

Viana

Mestranda em História (UFMG)

Coordenadora do NEPAT

Pesquisa nazismo desde 2019 e, no mestrado, trabalha com os usos que a história adquire na obra de Alfred Rosenberg, com o objetivo de compreender a construção ideológica promovida pelo autor. 

Benedito  Mesquita

Graduando em Filosofia (UVA)

Pesquiso a autora alemã Hannah Arendt, sobre os seguintes temas: Totalitarismo, Política, Banalidade do Mal, Liberdade, Espaço Público e Direitos Humanos. Contudo, tendo diálogo com dois autores Michel Foucault e Giorgio Agamben, na perspectiva biopolitica, biopoder e Estado de Exceção. Atualmente estou pesquisando Totalitarismo e os Direitos Humanos, na abordagem dos refugiados, tendo como a problematização de pensar, daqueles que não tem direito. Faço parte do grupo de Pesquisa em Filosofia, Ética e Educação - (GEPEDE) e membro do Laboratório de Estudo da Política - (LEPOL). Sob orientação do Prof. Dr. Ricardo George de Araújo Silva. Área de estudo Filosofia Politica.

Elcio Cornelsen

Professor titular da faculdade de Letras

(UFMG)

Membro do Núcleo de Estudos sobre Literatura e Guerra (FALE/UFMG).

Parte de minhas pesquisas tem por foco a relação entre literatura e violência, e também entre cinema e violência (guerras, genocídios, estado de exceção em regimes autoritários ou totalitários).

Gustavo Feital Monteiro

Doutorando em História

(UnB)

Estudo o nazimo, o fascismo e o Holocausto desde a graduação, sendo mais de 10 anos de pesquisa e produção acadêmica sobre diversos aspectos deste tema. Devido à pouca abordagem pela historiografia brasileira, sempre desejei participar de grupos de pesquisa que possibilitem diálogos com outros pesquisadores e ter contato com outros colegas que possuam interesses semelhantes. Minha monografia de graduação foi sobre a Juventude Hitlerista, a dissertação de mestrado sobre os diários de Victor Klemperer e o antissemitismo na vida cotidiana durante o governo nazista, e agora no doutorado estou desenvolvendo a minha tese sobre a formação da historiografia a partir das obras de Arendt, Mosse, Hilberg e Nolte. 

Joyce Rodrigues

Doutoranda em Letras

(UFMG)

Doutoranda em Letras pelo Programa de Pós-graduação em Estudos Literários da UFMG, na área de concentração de Teoria da Literatura e Literatura Comparada, na linha de pesquisa Literatura, História e Memória Cultural. Mestre em Letras/Literaturas de Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais e Graduada em Letras Português/Inglês pela mesma instituição. É professora efetiva da Universidade Federal de Minas Gerais, na carreira EBTT/CP. Realiza pesquisas sobre questões relacionadas às autobiografias, ficção, memória e História e escrita de mulheres. Membro do NEGUE (Núcleo de Estudos de guerra e literatura). Tese em andamento intitulada "Narrativas autobiográficas: memórias de mulheres sobre a Segunda Guerra Mundial".

Larissa Laini 

Mestranda em História (UFOP)

Estuda as experiências femininas nos campos de concentração nazistas, principalmente o campo Ravensbrück e a diferença da experiência feminina da experiência masculina durante a Shoah. Pesquisa também a relação da religião, mais especificamente o judaísmo, com o trauma sofrido nos campos.

Patrícia Costa de Alcântara

Doutoranda em História (UFRRJ)

Investiga o impacto da Segunda Guerra Mundial nas relações de trabalho no Brasil e as interações entre trabalhadores, patrões e Justiça do Trabalho no mesmo período. Atualmente pesquisa a alteração do status do trabalhador imigrante japonês, italiano e alemão em Belo Horizonte e da mão de obra nacional durante a Segunda Guerra Mundial. Áreas de interesse: Segunda Guerra Mundial, pensamento eugênico no Brasil, Justiça do Trabalho, Estado, classe trabalhadora e ditadura

Rodrigo Musto Flores

Mestre em História (UFV)

Pesquisei no mestrado a reintegração social dos veteranos da Força Expedicionária Brasileira (FEB), seu retorno da II guerra, a construção das associações de veteranos, bem como os monumentos em homenagem à FEB da cidade de Juiz de Fora. Atualmente me interessa a temática da Ditadura Cívil-Militar Brasileira, mais precisamente aqueles militares que, por discordarem da tomada de poder por seus pares, foram cassados.

Victor Yamasaki

Mestrando em História

(UFF)

Na minha dissertação, trato dos textos de Carl Schmitt publicados na Revista de Estudios Políticos, principal órgão de comunicação do Instituto de Estudios Políticos, no período de 1941 a 1956. Esse instituto representava um importante meio de socialização de intelectuais ligados ao falangismo após o fim da Guerra Civil Espanhola. Em seus primeiros anos, representava a ala do franquismo mais próxima ao fascismo e ao Eixo. Em minha pesquisa, procuro, a partir dos textos publicados na Revista, compreender a relação de Schmitt com o regime franquista durante a Segunda Guerra Mundial e no período posterior, marcado pelo isolamento da Espanha.

NEPAT_tarja_01.png

Coordinators

RECEIVE NEWS

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube